Ecodasilhas de Cabo Verde

Domingos Barbosa da Silva

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
Votacao
Gosta deste site?
Sim gosto
Mais ou menos
Podia conter mais informa
Muito bom, continua!
Gostaria de um igual
Ver Resultados

Rating: 3.1/5 (1192 votos)




ONLINE
2








A Anatomia da Lonjura

Informo que o livro já está à venda nos sites seguintes (por via do distribuidor):

http://www.wook.pt/livro/a-anatomia-da-lonjura--domingos-barbosa-da-silva/18686396

http://www.fnac.pt/A-Anatomia-da-Lonjura-Domingos-Barbosa-da-Silva/a988694

http://www.bertrand.pt/ficha/a-anatomia-da-lonjura-?id=18686396

http://www.almedina.net/catalog/product_info.php?cPath=216_53&products_id=34516

http://www.principiadistribuicao.pt/livros-outros-editores/3250--9789898845016.html

 

http://sites.comunidades.net/editar.php


Página informativa

Coronavírus

Uma pequena nota para os meus amigos

O coronavírus é bastante perigoso! Mas mais perigoso são os "outros". Aqueles que não levam a sério a ameaça que nos abafa!

Será que as pessoas entendem a importância de usar a máscara?

Parece-me que a comunicação feita pelas autoridades de saúde está  a transmitir uma mensagem de que a lavagem das mãos é mais importante do que usar a máscara !!!

O vírus não é um ser vivo. Depende de seres humanos ou animais para se reproduzir e ser capaz de criar problemas. Podemos perguntar de onde sai o vírus na comunidade?  De onde se alastra?

Uma resposta mais fiável que existe: da boca de pessoa infectada. Não necessariamente das mãos! Primeiro temos de atacar as causas, a origem.

Usamos desinfetantes ou sabão para lavar as mãos. Depois de alguns minutos, bilhões de pequenas gotas saem de nossas bocas carregadas de microrganismos enquanto conversamos, tossimos, espirramos e se espalham pelas superfícies do nosso corpo e outras coisas. Podemos fazer uma ideia de como será quando estamos a fazer compra nas lojas e os artigos e compramos.

Seja o que for dito, estes  3 pontos são os mais importantes a considerar:

1 - use máscara;

2 - mantenha distância individual e

3 - Lave as mãos frequentemente

Só assim podemos sair da crise são e salvos

 Nhos fica na casa. Jesus disse (Mateus 6:6): Entra no teu quarto e fecha a tua porta.

Este também é o meu conselho para todos que tanto quero. E porque? Porque é a tua decisão e a tua disponibilidade para o radical encontro contigo mesmo; é baixar as máscaras, assumindo a própria nudez; é escutar o que se insinua dentro de ti, e apenas isso.

Tenha um bom dia

Domingos Barbosa da Silva

 

 

Elsie Helga Lopes er her: Leira, Leiria, Portugal.

  1. april kl. 12:59

A PROPÓSITO DAS PESSOAS QUE CONTINUAM A DEAMBULAR POR AÍ 

A ficha demora a cair. 
As pessoas ainda não estão sensibilizadas para a realidade da situação. 
FICAR EM CASA ‼
Sair de casa só em caso extrema necessidade.
Saindo deverá cumprir com as medidas de prevenção: usar máscara, distanciamento social, etiqueta respiratória, a higienização das mãos 

É difícil para quem tenha pouca instrução, informação. Mas cabe às pessoas mais instruídas sensibilizar com paciência, informar e dar o exemplo. 

Os adultos são como crianças. Não acatam ordens se não perceberem o porquê de as executar. 
Calma, paciência e dar o exemplo. 
Não sei mais o que dizer. É doloroso sentir-me tão impotente para ajudar.

AINDA ASSIM É MELHOR FICAR EM CASA‼

 

 

 

Somos emigrantes, imigrantes e migrantes!

Emigrante é aquele que deixa seu país de origem para viver noutro lugar. Imigrante é aquele que entra num país para viver nele. Emigrante e imigrante são, neste sentido, antónimos, têm significados opostos. Por exemplo, os cabo-verdianos, quando saíram de Cabo Verde para viver na Noruega, emigraram de seu país e se tornaram imigrantes aqui. O termo "migrante" se refere a quem se desloca de uma região para outra ou de um país para outro. Por exemplo, o fluxo de pessoas de outros estados dos USA para o estado de Connecticut constitui uma migração.

Em muitas ocasiões usamos a palavra emigrante para significar os três conceitos.

Mario Quintana 

 

 

 

Para saber mais sobre:

 

1 - CABO VERDE

2 - Símbolos Nacionais

3 - Órgãos de Soberania

4 - INFORMAÇÕES ÚTEIS

5 - Questões alfandegárias

6 - Regresso definitivo ­ Que Benefícios?

7 - Benefícios fiscais

8 - Importação de viaturas

9 - Operações bancárias

10 - Investimento em Cabo Verde

11 - Compra de imóveis (casas e terrenos)

12 - Dados Úteis no País de acolhimento

13 - A reforma

14 - O trabalho (Questões laborais)

15 - Reagrupamento familiar

16 - Expulsões

17 - Notícias de Cabo Verde

18 - Vistos de entrada em Cabo Verde

19 - Lei da nacionalidade cabo­verdiana

20 - Eleições

21 - CONTACTOS ÚTEIS EM CABO VERDE

22 - Organismos do Estado responsáveis pela área da Emigração

23 - Câmaras municipais

24 - Instituições bancárias

25 - Instituições ligadas ao sector turístico e empresarial, etc. consulte:

 

http://www.embcv.pt/images/manual_emigrante.pdf - Caso não funcionar: Use o método "copiar e colar" no endereço

ou

http://www.embcv.pt/lista_conteudos_sub.asp?idcont=3455&idarea=4&idsub=786

 

 

Como evitar ébola

 

 

Assim nasceu a morna “Sodade”

16 Ago 2016

Assim nasceu a morna “Sodade”

Alberto Francisco Cabral é o mais famoso contador de histórias da Praia Branca. O respeito e admiração que lhe conferem os seus 78 anos de idade, fazem dele uma autoridade na matéria. Homem viajado, percorreu muitos países a bordo dos navios por onde ia trabalhando, principalmente na Europa e no Brasil. Fica o lamento de nunca, nessas viagens, ter conhecido as ex-colónias portuguesas, e uma em particular: São Tomé e Príncipe, o destino de muitos dos que partiam de São Nicolau em busca de melhores oportunidades. É numa dessas despedidas que Alberto Cabral ouve pela primeira vez cantar, da voz do seu autor, a morna “Sodade”, talvez a música cabo-verdiana mais conhecida em todo o mundo. É a história dessa mesma morna que Alberto Cabral tem hoje para nos contar.

 

Lembro-me como se fosse hoje. Viviam-se tempos difíceis em Cabo Verde. Para fazer face à miséria que reinava por estas terras, a única saída possível e facilmente alcançável era partir para S. Tomé e Príncipe como contratado, numa situação que pouco se diferenciava da dos escravos de outrora. Em alternativa à morte certa dos desafortunados que viviam à sombra dos senhores feudais, o mar era o único caminho e S. Tomé e Príncipe o único destino. O Governo Colonial, para responder à necessidade de mão-de-obra nas outras colónias africanas, encorajava os cabo-verdianos à emigração, concedendo-lhes facilidades para a sua instalação nessas terras longínquas, longe de tudo e de todos. Contudo, essa “facilitação” foi-lhes imposta por decreto. Determinava que todo o indivíduo que não pudesse prover o seu sustento poderia ser deslocado para outro território ultramarino. Dadas as carências que se verificavam em Cabo Verde, a vantagem competitiva dos cabo-verdianos como mão-de-obra barata e facilmente disponível era evidente.  

Na verdade, o contrato para São Tomé era um recurso imposto pelo desespero da fome. Só acontecia quando o camponês já não tinha meios de sobrevivência para si e sua família. Era a única solução depois de vender o pedaço de terra herdado dos antepassados e as telhas da casa onde morava a família toda, isto para os casos raros de pessoas que tinham casas de telha pois a grande maioria morava em casas cobertas de palha, construídas nas terras do morgado. Chegado a esse ponto, a única saída era procurar os funcionários da SOEMÍ (Sociedade de Emigração), para se inscrever na lista dos que deviam seguir no primeiro barco para S. Tomé e Príncipe. Assinado o contrato, recebiam uma certa quantia em dinheiro chamada “avanço” como prova de assunção de um compromisso irreversível. Com essa quantia, o contratado garantia o sustento da família até à data da partida para as ilhas verdes do Equador. A segunda prestação do valor do contrato só era entregue no momento do embarque. Dessa importância, metade ficava com os membros da família que não conseguiram um contrato, e a outra metade ficava com o seu dono, para as primeiras despesas, logo após a chegada.

Por vezes, lá ia uma leva de serviçais para Angola ou Moçambique. Todavia, o mesmo barco tinha que passar por S. Tomé e Príncipe, a fim de ali deixar parte do pessoal que perdera o barco anterior. Durante a viagem, enquanto os que se destinavam a Angola e Moçambique dançavam no porão ao som do funaná — porque a sorte lhes abrira uma porta de entrada a essas benditas terras — os que deviam ficar em S. Tomé, cabisbaixos, choravam a sua desdita. Alguns destes últimos, particularmente os oriundos de S. Vicente, alimentavam a esperança de se misturarem com os compatriotas que a sorte indicara o caminho de Angola e Moçambique, logo que as costas da Serra Leoa e da Libéria aparecessem a dizer que S. Tomé estava próximo.

Era no “Benguela” que muitos dos cabo-verdianos deixam a sua terra. Verem aproximar-se do porto da Preguiça os fumos emanados pelas caldeiras desse velho navio a vapor, significava que a partida estava próxima. Era o momento de chorar as poucas lágrimas que ainda restavam.

Corria o mês de maio de 1954. A tristeza que pairava na ilha era omnipresente. Estava para partir mais uma leva de sanicolausenses. Tinham plena certeza que iriam partir; levavam consigo a esperança de um dia poderem regressar.  No dia da partida, os contratados reuniram os parcos haveres que ainda possuíam e que os haveriam de acompanhar na tão triste viagem. Para minimizar a dor da separação, a população de Praia Branca despediu-se em festa dos seus filhos. Armando Zeferino, um comerciante local com talento para a música, juntou-se-lhe para lhes prestar uma sentida homenagem. Na altura tinha 34 anos de idade. Fazia-se acompanhar pelos seus companheiros de serenatas e tocatinas. Chegados ao Portal, nos limites de Praia Branca, despediu-se dos amigos com uma morna nunca ouvida até esse momento. Fez-se silêncio e Armando Zeferino Soares cantou de forma emocionada o seu tema “Sodade”.  Dali até Preguiça, onde o “vapor” aguardava os contratados, a morna não mais deixou de ser cantada e, tal como os antigos contratados, saiu para mundo. 

 

Os seus versos, 

Quem mostra’ bo

Ess caminho longe?

Ess caminho

Pa Sã Tomé

Sodade

Dess nha terra d’Sã Nicolau

Si bô ‘screvê’ me

‘M ta ‘screvê be

Si bô ‘squecê me

‘M ta ‘squecê be

Até dia

Qui bô voltá

 

haveriam de ser imortalizados, em 1992, na voz de Cesária Évora. “Sodade”, tornou-se assim numa das marcas de Cabo Verde e para sempre será considerada como património de todos os cabo-verdianos.

 

 

 
Endereço Principal: http://www.ecodasilhas.com
Gestor: Gestor de EMails  |  Recuperar Dados de Acesso ao Gestor de EMails
Outros: Webmail  |  Publicar Domínio nos Motores de Busca
Ajuda: Manual do Gestor e Manual do Webmail
Endereço (sem www): http://ecodasilhas.comunidades.net
Endereço (com www): http://www.ecodasilhas.comunidades.net
Está a usar o Template: Template em CSS3
O seu Site tem 12 Página(s)0 Sub-Página(s) e 4 Página(s) Livre(s).
EMail de Contacto: domingosdidi@gmail.com

 

Correio electrónico: domingosdidi@gmail.com